| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Opinião Curitiba
Desde: 20/03/2009      Publicadas: 5719      Atualização: 25/09/2017

Capa |  Cidade  |  Conhecendo o Seu Bairro  |  Editorial  |  Educação  |  Espaço Cultural  |  Especial  |  Esporte  |  Estadual  |  Gastronomia  |  Geral  |  Jogo Rápido  |  Jurídica  |  Leia Mais  |  Local  |  Moda Estética & Beleza  |  Momento de Fé  |  Nacional  |  Opinião  |  Opinião Social  |  Passando a limpo  |  Recordar é Viver  |  Saúde  |  Segurança  |  Turismo


 Saúde

  11/08/2017
  0 comentário(s)


Banalização na indicação de hormônios é realidade no Brasil e pode trazer mais riscos que benefícios

Médicos revelam preocupação com "boom" de prescrição hormonal que vem alimentando um mercado milionário e chamam atenção para o exercício ilegal da endocrinologia

Banalização na indicação de hormônios é realidade no Brasil e pode trazer mais riscos que benefícios

Solicitar exames de dosagem hormonal em pacientes saudáveis para justificar a indicação de hormônios com fins estéticos – antienvelhecimento, ganho de massa muscular, redução da celulite, perda de peso e aumento de libido –, se tornou uma perigosa realidade no país. Muitas vezes são os próprios pacientes que buscam e se deixam seduzir pela chamada “modulação hormonal” ou o implante do “chip da beleza”, prática condenada pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), devido aos efeitos adversos que isso pode gerar.

O tema foi debatido por alguns dos principais especialistas do país, durante o Simpósio de Gônadas, dentro da programação do EndoSul 17 – Congresso de Endocrinologia e Metabologia da Região Sul, organizado pela SBEM - Regional Paraná.  

Mas o que norteou os debates foi a preocupação com “boom” de prescrição hormonal que vem alimentando um mercado milionário. “Vivemos um momento muito preocupante, com o exercício ilegal da endocrinologia, no que se refere aos tratamentos chamados de modulação hormonal. Eles não apenas fogem à ética profissional, mas representam também um risco à saúde pública, razão pela qual criamos a Comissão de Ética e de Defesa Profissional para tratar e penalizar estes casos, que são uma verdadeira aberração”, afirmou a presidente da SBEM-PR, endocrinologista Silmara Leite.

A endocrinologista Dolores Pardini, vice-presidente do Departamento de Endocrinologia Feminina da SBEM e chefe do Ambulatório de Menopausa da UNIFESP lembrou que a reposição hormonal é recomendada para mulheres que entram na menopausa e que apresenta sintomas. A especialista

atacou a quantidade de exames que têm sido solicitados em pacientes saudáveis, para justificar a reposição indiscriminada. “Isso é uma banalização da terapia hormonal, que tanto a SBEM quanto o Conselho Federal de Medicina são enfaticamente contrários. É preciso ter comedimento para fazer a reposição quando o hormônio está em falta, pelos riscos pode trazer”, afirmou a especialista.

Dentre os perigos que o uso indiscriminado de hormônios pode  trazer à saúde estão o aumento do risco cardiovascular, a elevação da resistência à insulina, que pode desencadear um diabetes melitus, além de eventos cardiovasculares, principalmente se for uma pessoa obesa, com colesterol elevado e tiver alguma predisposição para hipertensão arterial.

Alheio aos riscos, muitos pacientes chegam ao consultório buscando a reposição hormonal, com base em informações encontradas na internet. “Pessoas que buscam hormônios para obter benefícios estéticos têm que ser orientados a não fazê-lo. Os benefícios podem parecer sedutores, mas trazem uma série de malefícios, desde uma simples acne até alterações mais graves no fígado e no coração”, explicou o endocrinologista Alexandre Holh, vice-presidente da SBEM. “Saímos de uma situação em que o paciente não tem doença diagnosticada e simplesmente vai para uma doença criada porque o uso do hormônio foi inadequado”, alertou o especialista.

A falta da testosterona pode ter várias causas, como obesidade, diabetes, uso de medicamentos, doenças específicas e até tumores do sistema endócrino. Por isso é fundamental uma investigação adequada, para tratar não somente a falta do hormônio, mas também a causa desta falta. “O endocrinologista é o médico mais adequado para avaliar esse quadro e indicar o tratamento seguro. Então alertamos ao paciente para que procure em sua região médicos sérios”, finaliza Holh.

A SBEM-PR e o Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRM-PR) incentivam os pacientes a consultarem a lista atualizada dos endocrinologistas do estado na página www.sbempr.org.br.

SERVIÇO
Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia – Regional Paraná | SBEM-PR

E-mail: sbempr@endocrino.org.br
Av. República Argentina, 369, cj. 1101, 11º andar,
Água Verde, Curitiba/PR CEP: 80240-210
Fone: (41) 3343-5338
www.sbempr.org.br|  www.facebook.com/sbemparana

  Autor:   Da Redação


  Mais notícias da seção Agosto 2017 no caderno Saúde
31/08/2017 - Agosto 2017 - Convênio da CAA-PR com Dental Uni tem planos odontológicos a baixo custo
Isenção de carência para contratações efetuadas até o dia 18 de setembro, com vigência a partir de 1º de outubro...
21/08/2017 - Agosto 2017 - Médicos debatem importância das campanhas públicas da SBEM
Representantes das regionais estiveram reunidos durante CBAEM 2017 para discutir sobre próximas campanhas de saúde relacionadas às doenças endócrinas, como obesidade e diabetes mellitus, duas das maiores epidemias do mundo...
17/08/2017 - Agosto 2017 - SBEM-PR participa do Circuito Corrida de Rua pelo Dia do Combate ao Colesterol
Endocrinologistas alertam para importância da mudança do estilo de vida no controle do colesterol alto; obesidade, sedentarismo, alimentação rica em gordura, estresse e tabagismo são alguns dos vilões...
07/08/2017 - Agosto 2017 - Suplementos alimentares, exercício de resistência, perda de massa e força muscular abrem EndoSul
Congresso aconteceu entre os dias 4 e 6 de agosto, na sede da Associação Médica do Paraná, com uma vasta programação de palestras, conferências e debates relacionados à endocrinologia...
02/08/2017 - Agosto 2017 - Prevenção da nefropatia diabética é tema da conferência principal do EndoSul 2017
Doença acomete cerca de 40% da população diabética e inicia de maneira silenciosa; diante da falta de vagas para hemodiálise no país e tempo de espera na fila por transplante, a prevenção e o tratamento precoce são fundamentais...



Capa |  Cidade  |  Conhecendo o Seu Bairro  |  Editorial  |  Educação  |  Espaço Cultural  |  Especial  |  Esporte  |  Estadual  |  Gastronomia  |  Geral  |  Jogo Rápido  |  Jurídica  |  Leia Mais  |  Local  |  Moda Estética & Beleza  |  Momento de Fé  |  Nacional  |  Opinião  |  Opinião Social  |  Passando a limpo  |  Recordar é Viver  |  Saúde  |  Segurança  |  Turismo
Busca em

  
5719 Notícias